diversidade no trabalho

Diversidade no Trabalho – Qual é a Sua?

Nesta nova economia global a diversidade é nada mais nada menos do que soberana. O mercado de trabalho agora é mais divergente. A mão-de-obra é mais diversa. Quase todas as melhores oportunidades nas grandes empresas globais estão em culturas diferentes e diversas da nacionalidade de origem dessas mesmas empresas.

Aquelas empresas que melhor gerirem a grande diversidade serão as vencedoras.

Gerenciar a grande diversidade começa pequeno – começa-se em gerenciar a diversidade dentro do nosso próprio país.

Gerenciar a diversidade é, basicamente, decidir quais diferenças fazem a diferença e enriquecem, e quais não fazem. Quando você tiver descoberto isso, o que resta em gerenciamento não muda. Porém, a não ser que você perceba os benefícios das grandes ou pequenas diversidades; é provável que pouca coisa mude pra você.

Para conseguir isso, você vai precisar aprender a compreender sem julgar outros grupos; ver as pessoas mais como indivíduos e menos como membro de um grupo; conhecer seus próprios estereótipos (se eles existem); construir um negócio com pilares sobre a diversidade; tomar a diversidade como algo pessoal, e tratar algumas pessoas um pouco diferente em razão de poucas oportunidades que tiveram no passado.

Diversidade = Bons Negócios

Seu mercado e clientes são mais diversos do que seus funcionários? Onde estão suas melhores oportunidades? Pessoas como você? Provavelmente, não.

Você conhece bem sobre as pessoas que irão comprar seus produtos? Enquanto os públicos se tornam mais diversos, vendedores e marqueteiros pertencentes de grupos iguais ao seu público-alvo têm tido mais sucesso em suas vendas.

Estudos mostram que grupos heterogêneos são mais criativos do que grupos homogêneos. Eles veem oportunidades de perspectivas diferentes.

A maior parte da mão-de-obra ocupada no Brasil logo se tornará minoria. Mulheres e minorias se tornarão, coletivamente, a maioria.

As empresas reconhecidas pelo mercado como aquelas que gerenciam bem a diversidade poderão escolher os melhores candidatos. Isso significa: mais para escolher, enquanto as outras ficam com “os que sobram”.

Oportunidades Iguais

Se você não aceita isso, não vai conseguir aprender a gerenciar bem a diversidade. Oportunidades iguais não significa tratamentos iguais.

O que dizer das pessoas com necessidades especiais? Você se importa que tenham banheiros que se ajustem às suas necessidades? Estacionamentos mais próximos? Rampas para chegar ao trabalho? Ônibus especiais?

Tudo isso é tratamento desigual para nivelar o campo onde todos jogamos. O mesmo acontece para outros “menos afortunados”.

Alguém nunca conheceu outros estados. Nunca foi líder de turma. Nunca estudou no exterior. Nunca teve outras oportunidades em razão do grupo a que pertenceu. No entanto, é inteligente, ambicioso, e tem muita vontade de aprender.

Que ajustes você faria ou estaria disposto a fazer para nivelar o campo desse jogo? Mais treinamento? Um pouco mais de paciência? Mais compreensão? Formar grupos parecidos para compartilhar problemas comuns?

A questão é que toda essa desvantagem não é culpa da pessoa sentada perto de você. Ele ou ela quer se libertar disso e ter uma chance para aprender e mostrar o que pode oferecer. Você poderá dar a oportunidade, se perceber que o tratamento desigual é necessário para se alcançar oportunidades iguais.

Diferenças

Que diferenças fazem a diferença? Sexo faz a diferença em termos de performance? Pesquisas mostram que não. Alguns estudos, na verdade, sugerem resultados melhores para as mulheres.

Pesquisas também mostram que equipes de gêneros diversos são mais criativas e inovadoras.

Idade? Geralmente não. Algumas habilidades permanecem fortes, outras (memória) diminuem devagar para alguns.

Raça? Não há muita pesquisa ainda. Em razão de oportunidades iguais para todos, provavelmente não.

Pessoas com necessidades especais? Alguns estudos mostram maior performance, provavelmente por causa da motivação especial.

Nacionalidades? Variáveis demais. Muita pesquisa. Certamente que a questão cultural influencia em como você pensa sobre as coisas, mas todas as culturas parecem ter ambição e ética suficientes para padrões razoáveis.

Estereótipos

Algumas pesquisas mostram que tanto homens quanto mulheres avaliam mulheres líderes como extremistas (demais ou de menos), enquanto homens líderes ficam numa curva normal.

Você acha que loiras são burras? Gordos são preguiçosos? Mulheres são mais emotivas no trabalho? Homens não podem mostrar emoções?

A maioria dos estereótipos são falsos. Mesmo que haja diferenças superficiais, elas não comprometem a performance.

Liderando com Equidadediversidade no trabalho

Tente ver as pessoas mais como indivíduos do que como membros de grupos. Muitos de nós enquadramos pessoas em grupos que conseguem ou não conseguem fazer isso ou aquilo. Quando enquadramos, geralmente não nos relacionamos tão bem com os desenquadrados.

Boa parte do tempo que levamos enquadrando pessoas tem a ver com: “igual a mim” – bom enquadramento; diferente de mim – mau enquadramento. Com o tempo os enquadrados “igual a mim” acabam tendo a maior parte de sua atenção, mais feedback, mais tarefas, desenvolvem-se mais e têm melhor performance; infelizmente comprovando que seu estereótipo está correto e correto e correto…

Para quebrar este ciclo, compreenda sem julgar. Pegue leve com você mesmo. Por acaso tem um grupo ou grupos que você não gosta ou que te deixam desconfortáveis? Você julga indivíduos daquele grupo sem realmente saber se seu estereótipo é verdadeiro? A maioria de nós, sim. Tente enxergar pessoas como pessoas.

Equilibrando Pessoas e Processos

Mulheres e pessoas da raça negra geralmente têm menos feedback para desenvolvimento. Mulheres e minorias recebem menos informação espontânea. Por vezes mulheres e minorias não participam igualmente em eventos sociais fora do trabalho; porém, decisões importantes sobre negócios são tomadas em eventos informais.

Examine, cuidadosamente, os processos de suas equipes. Por acaso você percebe inequidades não-intencionais?

Acesso à informação para todos, trabalhos desafiadores, boas relações, desenvolvimento de habilidades e networking levam a oportunidades iguais.

A Diversidade que Conta

Diferentes pontos de vista, formações, educação, cultura, experiência, crenças e atitudes CONTAM, e tudo favorece para produzir um produto superior em um mercado global e diverso.

Deixe a diversidade testar você – ataque os problemas com uma equipe diversa, e se abasteça de resultados mais inventivos.

Reúna a equipe mais diversa que você conseguir e que tenha as habilidades necessárias para fazer o trabalho que você precisa.

A regra número um de cada sociedade realmente civilizada é esta: Deixe que as pessoas sejam diferentes.” – David Grayson

Ainda não descobriu sua paixão em liderar? Então, descubra no e-Book, clique AQUI.

Claudio Cordeiro

20+ anos Gestor de Pessoas em grandes multinacionais. Especialista em Direito do Trabalho.

Últimos posts por Claudio Cordeiro (exibir todos)